Início Lula STJ suspende julgamento que pode anular sentença de Lula

STJ suspende julgamento que pode anular sentença de Lula

STJ suspende julgamento que pode anular senten?a de Lula

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Leopoldo de Arruda Raposo suspendeu o julgamento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), previsto para amanhã (30), que poderia anular a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo do sítio em Atibaia (SP). Nesta tarde, Raposo aceitou um pedido liminar feito pela defesa de Lula. 

Nesta quarta-feira, a 8ª Turma do TRF4, sediada em Porto Alegre, julgaria uma questão de ordem do relator do processo, desembargador João Pedro Gebran Neto, para que fosse discutida a anulação da sentença de Lula, condenado a 12 anos e 11 meses de prisão no caso pela juíza federal Gabriela Hardt, em fevereiro. 

O debate foi motivado pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheceu o direito de advogados de delatados poderem apresentar as alegações finais, última fase antes da sentença, após a manifestação da defesa dos delatores. A questão pode anular várias sentenças da Operação Lava Jato. 

A defesa de Lula discordou do julgamento que pode anular a sentença. Os advogados querem a anulação de todo o processo, e não somente da sentença, por entenderem que o ex-presidente não praticou nenhum crime e foi julgado de forma parcial pelo então juiz Sergio Moro. 

Caso a sentença de Lula fosse anulada na sessão desta quarta-feira, o processo voltaria para fase de alegações finais na Justiça Federal em Curitiba. Após o cumprimento das manifestações das defesas, de acordo com a decisão do Supremo, nova sentença poderá ser proferida. 

Lula está preso desde 7 de abril do ano passado por sua primeira condenação, no caso do tríplex em Guarujá (SP). O ex-presidente cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A prisão foi definida com base na decisão do STF que autorizou prisão após condenação em segunda instância. 

Na decisão, o ministro concordou com a defesa de Lula e entendeu que a questão de ordem proposta pelo desembargador Gebran não pode ser julgada de forma fatiada, ou seja, o processo deveria ser julgado na íntegra. 

“Faz-se desproporcional a desarrazoada a cisão do julgamento da forma como pretendida pelo tribunal, não encontrando amparo no cipoal normativo, nem na Carta Maior, nem mesmo na legislação correlata”, decidiu Raposo. 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Must Read

SBT revive símbolo da seleção brasileira

Hoje, o SBT iniciará a transmissão da Copa América com o retorno do histórico mascote Amarelinho torcendo pela Seleção Brasileira de Futebol. Totalmente repaginado,...

Ministro do turismo lamenta morte de Marco Maciel

Nota de pesar  Pernambuco e o Brasil perdem uma referência de homem público. Plural, íntegro, dedicado exclusivamente à coisa pública. Marco Maciel tinha um profundo...

Natálio Arruda lidera grupo em encontro com Rodrigo Novaes, Secretário Estadual de Turismo de Pernambuco

Sob liderança de Natálio Arruda, diretor municipal de Turismo de Santa Cruz do Capibaribe, um grupo de coordenadores e gestores municipais de Turismo, estiveram...

PREFEITURA GARANTE VIATURA PARA TORITAMA ATRAVÉS DO CONSEG-PE

A cidade de Toritama recebeu uma nova viatura da Polícia Militar na manhã desta sexta-feira (11/06) e ampliou a frota de veículos disponíveis para...

“Quando se trata de futuro é necessário ser ousado e partir na frente”, diz Marco Aurélio Filho sobre mudanças na previdência do Recife

O parlamentar esclarece a necessidade de adequação no sistema previdenciário municipal para o recebimento de recursos federais. O vereador do Recife, Marco Aurélio Filho (PRTB),...