Início Lula STF aprova tese contrária à Lava Jato, e maioria vota por delimitar...

STF aprova tese contrária à Lava Jato, e maioria vota por delimitar efeitos de decisão

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) impôs uma derrota para a Lava Jato ao terminar de referendar, nesta quarta (2), uma tese que abre precedente para anular sentenças e beneficiar condenados – como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no processo do sítio de Atibaia (SP).

 

No entanto, os ministros não terminaram o julgamento. Ficou em aberto a discussão sobre possíveis restrições ao alcance da decisão, a fim de evitar uma avalanche de anulações de sentenças. O julgamento deverá ser retomado nesta quinta (3) com esse debate, se todos os ministros estiverem presente.

 

A decisão vem em um momento de enfraquecimento da Lava Jato, após mensagens reveladas pelo site The Intercept Brasil e por outros órgãos de imprensa colocarem em xeque a imparcialidade da cúpula da força-tarefa em Curitiba e do então juiz Sergio Moro.

 

A maioria dos ministros entendeu que réus delatados devem apresentar suas alegações finais por último, depois dos réus delatores. Ações que não seguiram esse rito podem ter suas condenações revistas. Alegações finais são a última etapa de uma ação penal antes da sentença e a oportunidade final para as partes se manifestarem.

 

Por 7 votos a 4, o Supremo decidiu que, para garantir o amplo direito à defesa e ao contraditório, assegurado pela Constituição, o réu delatado tem de ter a oportunidade de falar por último para se defender de todas as acusações que surgirem.

 

Votaram a favor da tese os ministros Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e o presidente da corte, Dias Toffoli.

 

Já Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, e os ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Marco Aurélio Mello foram contra e disseram não ver nulidade no prazo simultâneo que vem sendo dado para réus delatores e delatados se manifestarem.

 

A tese sobre a ordem das alegações finais foi debatida a partir de um caso concreto, o de Márcio de Almeida Ferreira, ex-gerente de Empreendimentos da Petrobras, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. A maioria dos ministros concedeu a ele um habeas corpus, por causa dessa questão processual, que anulou sua condenação.

 

Foi a segunda condenação da Lava Jato anulada pelo STF. A primeira havia sido a do ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine, analisada na Segunda Turma em agosto.

 

A decisão do plenário desta quarta não tem efeito imediato para casos semelhantes, mas o Supremo abriu um precedente para anular outras sentenças, que deverão ser analisadas caso a caso.

 

O ex-presidente Lula, por exemplo, pode ser beneficiado em ao menos um de seus processos -o do sítio de Atibaia (SP), em que foi condenado em primeira instância em razão de reformas bancadas por empreiteiras no imóvel frequentado por sua família.

 

Lula está preso desde abril do ano passado pela condenação no caso do tríplex de Guarujá (SP). Esse processo teve circunstâncias distintas e não deve ser afetado pelo novo entendimento do Supremo.

 

Durante quase duas horas, na sessão desta quarta, os ministros discutiram se deveriam ou não fixar uma tese que servirá para orientar decisões futuras sobre outros casos semelhantes ao que estava em análise. Por 8 votos a 3, deliberaram que uma tese será fixada.

 

Toffoli propôs que o entendimento sobre a ordem das alegações de delatores e delatados só anulem sentenças de réus que 1) tiverem pedido, ainda durante o julgamento em primeira instância, para apresentar alegações por último e tiverem tido o pleito negado e 2) tiverem comprovado que foram prejudicados. Essas restrições deverão ser debatidas na tarde desta quinta-feira.

 

Ao votar, Toffoli se exaltou e, elevando o tom da voz, disse que o Supremo enfrenta, sim, a corrupção -numa resposta a críticos da atuação da corte que acusaram a decisão de abrir brecha para a impunidade.

 

Toffoli classificou como “falácia” e “desonestidade intelectual” o discurso de que o Supremo atua em sentido contrário ao do combate à corrupção. Sem mencionar especificamente a Lava Jato, ele também afirmou que a corte repudia “abusos e excessos”.

 

“Esta corte defende o combate à corrupção, mantém as decisões tomadas feitas dentro dos princípios constitucionais e dos parâmetros do Estado de direito, mas repudia os abusos e os excessos e tentativas de criação de instituições e poderes paralelos. Se não fosse este Supremo Tribunal Federal, não haveria combate à corrupção no Brasil”, afirmou o presidente do STF.

 

Em entrevistas recentes, o coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, afirmou que a tese aprovada no Supremo representa um “tremendo retrocesso” ao combate à corrupção.

 

O julgamento desta quarta marca o início da sequência de recados duros que o Supremo pretende dar à Lava Jato e ao ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro (PSL).

 

Em março, quando a operação completou cinco anos, o Supremo impôs os primeiros reveses à força-tarefa de Curitiba. Decidiu que crimes comuns (como corrupção), quando associados a crimes eleitorais (como caixa dois), devem ser julgados pela Justiça Eleitoral, e não pela Justiça comum.

 

Também naquele mês, o ministro Alexandre de Moraes suspendeu o acordo entre o MPF e a Petrobras que previa a criação, sob coordenação da Procuradoria, de um fundo bilionário com dinheiro de multas pagas pela estatal.

 

A corte ainda deve ter outros julgamentos que, em suma, podem tornar sem efeito decisões do ex-juiz e da força-tarefa coordenada por Deltan.

 

Toffoli tem indicado aos colegas disposição de levar ao plenário em breve as ações que questionam a constitucionalidade da prisão após condenação em segunda instância, uma das principais bandeiras da Lava Jato.

 

Na Segunda Turma, o ministro Gilmar Mendes pretende retomar o julgamento de um habeas corpus pedido por Lula em que a defesa alega a suspeição de Moro.

 

No plenário, nesta quarta, Gilmar citou as mensagens de Telegram divulgadas pelo Intercept e lançou ataques diretos a Deltan e Moro, antecipando o que poderá vir no julgamento na turma.

 

“Usava-se [na Lava Jato] prisão provisória como forma de tortura. E quem defende tortura não pode ter assento na corte constitucional”, disse o ministro referindo-se ao ex-juiz. “O Brasil viveu uma era de trevas no processo penal.”

 

Nos casos de Bendine e de Ferreira, que tiveram suas condenações anuladas pela Segunda Turma e pelo plenário, respectivamente, os processos em si não foram extintos. Eles voltarão para a fase de alegações finais, e os dois podem vir a ser condenados novamente.

 

As ações penais sobre os dois réus devem voltar para a primeira instância da Justiça Federal em Curitiba para serem refeitas, dando a oportunidade de as defesas dos delatados apresentarem alegações finais depois dos delatores.

“Chegar aos 50 tem vantagens e desvantagens… Não enxergamos as letras de perto, mas enxergamos os cretinos de longe”, postou o ex-governador Zé Filho, que completa 50 anos em alguns meses. (JS)

Dr Pessoa, agora no MDB, está muito animado com sua pré-candidatura à Prefeitura de Teresina em 2020. Henrique Pires é quem está botando panos quentes. Disse que ainda não é consenso no partido. (JS)

Deputados estaduais da comissão de saúde da Alepi fiscalizaram o hospital de São Raimundo Nonato e uma coisa chamou a atenção: o cheiro de tinta. Como se tivessem acabado de pintar, ninguém conseguia nem encostar nas paredes. (JS)

Um juiz do Maranhão considerou improcedente a ação de danos morais de Assis Carvalho contra Wellington Raulino. O nome mais bonito que jornalista chamou o deputado ao vivo na TV foi ‘ladrão’. (JS)

Para piorar a situação do deputado petista, ele ainda vai ter que pagar uma multa por ter declarado que não tinha condições financeiras de arcas com as despesas do processo. (JS)

Os problemas das quedas no sistema do Detran foram resolvidos! Mas calma, os usuários continuam revoltados, a desculpa agora é a falta de internet. (JS)

O jornalista Wellington Raulino não teve pena do deputado Assis Carvalho durante seu programa na TV Tropical. Os nomes mais bonitos que chamou foi ‘desonesto’, ‘ladrão’ e ‘chefe de gangue’. (JS)

Só foi o Luís André assumir o PSL no Piauí que o ex-vereador Antônio José Lira pular fora da sigla. Ele agora está no PSD, de Júlio César. (JS)

A reforma do Centro de Convenções era para ter sido entregue em março passado. Como mais uma vez a data não foi cumprida, a estratégia agora é não marcar mais data e fazer uma solenidade surpresa. (JS)

O agente que tirou um detento do presídio para capinar um terreno foi afastado pela Sejus. Os ‘mandachuvas’ da Casa de Custódia que autorizaram outro preso a sair ilegalmente para transar, continuam lá. (JS)

Antes do show da Marília Mendonça, a Strans orientou que a população fosse de ônibus para a Ponte Estaiada. Desde quando passa ônibus coletivo na Ponte Estaiada? (JS)

Por falar em show da Marília Mendonça, Wrias Moura ficou ‘P. da vida’ com os boatos de tiroteio na Ponte Estaiada. Ele até postou um print da conversa como secretário Fábio Abreu para provar a segurança do evento que ajudou a organizar.

Quem precisar ser funcionário terceirizado de órgão público no Piauí, tem que se preparar para ficar até três meses sem receber salário. (JS)

Assis Carvalho disse que em 2020 quer eleger o máximo de prefeitos do PT no Piauí. Vai precisar mesmo. Dos que foram eleitos em 2016, uma parte foi para o PP de Ciro e outros, mais recentemente, para o PSD, de Júlio César. (JS)

A tecnologia surgiu para facilitar a vida das pessoas, mas no Piauí acontece o contrário. Se não bastasse o eterno problema no ‘sistema’ do Detran, na Farmácia de Medicamentos Excepcionais o caso é mais sério, pois doentes deixam de receber seus remédios.

Único piauiense no segundo escalão do governo Bolsonaro, Avelino Neiva renunciou o comando da Codesvasf e disse em carta que ‘sofreu’ críticas dentro e fora do órgão. (JS)

Depois da saída traumática de Silvio Mendes para o PP, o ex-prefeito já foi convidado para retornar ao PSDB. Está de olho nas eleições do ano que vem, obviamente. (JS)

A Cepisa está no primeiro lugar isolada no ranking de reclamações do Procon. Os problemas mais recorrentes dos consumidores são cobrança indevida e quedas de energia. (JS)

O prefeito de Luís Correia, Kim do Caranguejo, não tem gostado das notícias sobre a situação das escolas da cidade. A assessoria está nervosa com os meios de comunicação e não deixa ninguém tirar foto dos colégios. (JS)

Antônio José Lira diz que vai ser candidato pela Prefeitura de Teresina em 2018. Seu irmão, o deputado Átila Lira, diz que pode apoiá-lo, mas que vai tentar abrir seus olhos… (JS)

A prefeita Vilma Amorim, de Esperantina, exonerou todos os comissionados e prestadores de serviços. Suas lideranças estão revoltadas e dizem que ela não ganha eleição nem para líder de bairro. (JS)

Must Read

Na Anatel, André Ferreira recebe compromisso de ampliação do serviço de telefonia em 50 municípios do interior do Estado

Na Anatel, André Ferreira conquista ampliação do serviço de telefonia em 50 municípios do interior do Estado. O deputado federal André Ferreira (PSC-PE) se reuniu...

Municípios do Sertão avançam no Plano de Convivência

Nas gerências regionais com sedes em Arcoverde, Afogados da Ingazeira e Serra Talhada, estabelecimentos poderão funcionar até às 20h   O Governo de Pernambuco, após análise...

Agrestina vivencia São João “Cada qual na sua casa” com forró volante pelas ruas da cidade e vilas

Neste ano de 2021 o tradicional São João de Agrestina será diferente, com “Cada qual na sua casa”. Esse foi o tema escolhido pela...

SÃO JOÃO EM CASA

Elba Ramalho, Mastruz, Limão com Mel: confira 11 lives para assistir no São João Bohemia

Itália dispensará uso obrigatório de máscara ao ar livre a partir do dia 28

Após ter sido um dos primeiros países a viver a realidade do coronavírus e entrar em crise sanitária, chegou a vez da Itália de...