Início esporte Sem Globo ou grandes marcas, futsal brasileiro busca um caminho pós-Falcão

Sem Globo ou grandes marcas, futsal brasileiro busca um caminho pós-Falcão

Acesse sua conta

É estranho, e não haveria como não ser, ver a seleção brasileira de futsal em quadra sem seu maior craque, aquele que vestia a camisa de número 12 e ludibriava os rivais com seus dribles. Falcão se aposentou no ano passado depois de duas décadas de serviços prestados ao time, incluindo dois títulos da Copa do Mundo e mais de 400 gols marcados. E é justamente a ausência daquele que, para muitos, se tornou maior que a própria modalidade que trouxe consequências negativas – mais nas finanças do que propriamente no desempenho esportivo. Sem Falcão, os patrocinadores minguaram e a seleção vai, aos poucos, tentando se reorganizar.

Diferentemente do que ocorreu com o tênis nacional, que perdeu completamente o protagonismo depois da aposentadoria de Gustavo Kuerten, o Guga, o futsal do país segue na elite do esporte, com jogadores de destaque internacional e a seleção líder do ranking mundial. A partir desta quarta-feira, 23, o Brasil buscará o título da 13ª edição da Copa América de Futsal, em Santiago, no Chile. Por se tratar de uma data Fifa (sim, a entidade máxima do futebol também comanda a modalidade de quadra), o time brasileiro terá seus principais atletas à disposição em um importante teste visando o objetivo principal: a Copa do Mundo, que será realizada no ano que vem, na Lituânia.

A equipe brasileira acumula nesta temporada uma série de bons resultados em amistosos contra as potências da modalidade: venceu Portugal, do melhor do mundo Ricardinho, por 6 a 1 e 4 a 0, e somou contra a Espanha um empate em 2 a 2 e um triunfo por 3 a 1, em excursão recente pela Europa. A crise econômica da Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) ainda preocupa, mas já foi pior: em quatro anos, a dívida foi reduzida de 23 milhões de reais para cerca de 14 milhões. “A aposentadoria do Falcão coincidiu com um momento econômico ruim do ponto de vista de investimento e estrutura. Infelizmente, estamos pagando um preço alto por isso. Por outro lado, conseguimos nos manter com um time forte. Os resultados são excelentes e continuamos produzindo o que o futsal brasileiro sempre produziu”, afirmou o técnico da seleção, Marquinhos Xavier, no cargo desde julho de 2017.

Além da incrível habilidade com a bola, Falcão também é craque nos negócios e sempre se colocou à frente das negociações para atrair patrocinadores. Costumava ir pessoalmente a reuniões com empresários e garantiu alguns bons contratos em anos anteriores. Com a aposentadoria do “rei das quadras”, a seleção perdeu seu acordo mais valioso, as quatro datas que tinha com a Rede Globo, com jogos transmitidos em manhãs de domingo. Atualmente, apenas o braço esportivo da emissora, o SporTV, transmite os jogos da seleção e de campeonatos nacionais.

“A saída da TV aberta afetou negativamente, os patrocinadores não estão interessados porque o Falcão não joga mais”, admitiu Marquinhos, que concilia os trabalhos de técnico da seleção e do Carlos Barbosa, maior campeão da história da Liga Nacional. Para 2019, as empresas Magnus, Implante Rio e I9 Life não renovaram contrato com a CBFS. No site da entidade, constam apenas dois patrocinadores (Penalty e Travel Ace Assistance), além do apoio do governo.

 

O time conta com atletas de renome no meio do futsal, como Gadeia, que em 2018 foi eleito o segundo melhor jogador do mundo, Ferrão, pivô do Barcelona, e o capitão Rodrigo. O próprio Falcão, no entanto, não vê ninguém com potencial de sucedê-lo em termos de representatividade. “Eu atingi um nível de exposição, de números dentro de quadra, difíceis de comparar. Espero que apareçam novos grandes jogadores que a imprensa os abrace. Mas é preciso que eles saibam dar uma boa entrevista e como interagir com o público. A seleção brasileira tem jogadores muito bem aceitos e conhecidos no mercado do futsal, mas ainda é pouco para quem busca patrocinadores e interesse da mídia.”

O técnico Marquinhos Xavier concorda. “Estou convicto de que não temos ninguém que se aproxime do que foi o Falcão. Temos atletas no exterior com potencial, mas eles não têm identidade com o público brasileiro, porque saíram cedo do país e os jogos de lá não são transmitidos. O fã, muitas vezes, é aquela pessoa que não entende da modalidade, mas para para assistir o craque. Hoje não temos um cara decisivo como Falcão, então focamos o nosso trabalho na coletividade. A seleção brasileira produz o mesmo resultado, porém sem tanto protagonismo”, explicou Marquinhos Xavier.

Falcão jamais precisou atuar fora do Brasil, pois, por sua visibilidade, conseguiu atrair parceiros e manter por aqui um salário de “nível europeu”, um luxo que apenas ele era capaz de ter. Da seleção convocada para a Copa América, só três atuam em solo nacional: o capitão Rodrigo, Leandro Lino e Danilo Baron, todos do Magnus Sorocaba, time pelo qual Falcão se aposentou e segue trabalhando como embaixador. “É como no futebol, é difícil competir com o mercado europeu. Cada abertura de janela é um sofrimento, porque te tiram o que você tem de melhor. Continuamos abastecendo o mundo inteiro com nossas matérias-primas e não conseguimos segurar os atletas”, afirma o Marquinhos Xavier.

Marquinhos apostará em uma seleção experiente, com média de idade de 30 anos e 4 meses. Apenas um jogador do grupo tem menos de 24 anos: Leandro Lino, que por sua facilidade para driblar já foi apontado pelo próprio Falcão como um de seus possíveis sucessores no posto de craque do time. Para o melhor de todos os tempos, a comissão acerta ao apostar em um time mais “cascudo”. “Acho uma média de idade boa para uma Copa do Mundo, porque é um campeonato de tiro curto no qual a experiência conta bastante.” No último Mundial, em 2016, na Colômbia, o heptacampeão Brasil fez a pior campanha de sua história, ao ser eliminado nas oitavas de final pelo Irã. Na época, a modalidade vivia o auge de sua crise política e financeira, que incluiu boicote de atletas, falta de pagamentos e uma sequência de trocas no comando.

O treinador garante não ignorar a importância de renovação do time. “Montamos as seleções sub-17 e sub-20, algo inédito no futsal brasileiro. Nas competições continentais, convocamos alguns atletas da nossa base para ganhar experiência. O projeto de seleção de base é monitorar esses jogadores”, explicou Marquinhos. “A perspectiva de título não muda. O lado técnico e competitivo segue muito forte, o Brasil tem jogadores e comissão técnica para brigar por todos os títulos e é a grande favorita para a Copa do Mundo do ano que vem, apesar dos problemas externos”, cravou Falcão, que, ao contrário do futsal, só viu crescer o interesse de patrocinadores depois da aposentadoria e tem viajado o mundo para realizar eventos.

Verificando usuário logado …

Para comentar você precisará entrar com seu usuário e senha do Abril ID ou fazer login através do Facebook ou sua conta Google

Entre     Registre-se

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Conectando a %s

KKK o Eduardo Bolsonaro vai ser técnico da Seleção de Futsal e vai resolver tudo!

Must Read

Marília Mendonça e Maiara e Maraisa estrelam campanha na Times Square

As patroas deslancharam para o mundo! Nesta quinta (21), Marília Mendonça e a dupla Maiara e Maraísa estamparam um telão na Times Square, principal...

Com propostas em mãos, ex-auxiliar do Real Madrid e ex-técnico do Flu está muito próximo de acertar com time brasileiro

O treinador fez grande trabalho no Palmeiras e chegou a ser auxiliar de Luxemburgo no Real Madrid De volta ao futebol brasileiro, o técnico Paulo Campos já...

Palas Pinho 20 anos de carreira no movimento brega

Palas Pinho uma das artistas mais respeitadas e querida do cenário musical Pernambucano, completa 20 anos de carreira no movimento brega, em 2001 ela implaca...

Secretaria do Trabalho estadual abre inscrições para Fenearte 2021

Quatro estandes serão disponibilizados para empreendimento solidários num dos espaços mais nobres da cultura pernambucana A Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco abre,...

Com propostas em mãos, ex-auxiliar do Real Madrid e ex-técnico do Flu está muito próximo de acertar com time brasileiro

O treinador fez grande trabalho no Palmeiras e chegou a ser auxiliar de Luxemburgo no Real Madrid De volta ao futebol brasileiro, o técnico Paulo Campos já...