Início Geral Ministros do STF debatem prisão em 2ª instância, mas ainda sem votar

Ministros do STF debatem prisão em 2ª instância, mas ainda sem votar

Acesse sua conta

São Paulo — O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) começou nesta quinta-feira (17) o julgamento que define a legalidade do cumprimento de pena após condenação em segunda instância.

O presidente da corte, ministro Dias Toffoli pautou para hoje o julgamento das três Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADC’s) sobre o assunto. O ministro Marco Aurélio é o relator das ações.

A sessão foi suspensa sem que houvesse tempo hábil para encerrar as discussões, que devem ser retomadas na manhã da próxima quarta-feira (24).

Na abertura da sessão, Toffoli disse que as ações não se referem a nenhuma situação em particular. “As ações ora submetidas em conjunto definirão o entendimento que daqui emanará independentemente no sentido da sua conclusão, servirá de norte a todos os magistrados do país e todo o sistema de Justiça, Ministério Público, Defensoria privada e pública”, disse.

“Que fique bem claro que esse julgamento, as presentes ações e julgamento, não se referem a nenhuma situação particular”, completou.

O comentário de Toffoli ocorre em meio à possibilidade de, no caso de se alterar o entendimento atual do STF que permite a execução da pena após a segunda instância, a decisão beneficiar envolvidos na operação Lava Jato, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula foi preso após ser condenado em segunda instância, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá.

Nos últimos dias, ministros do Supremo têm dedicado especial atenção a explicar que uma eventual mudança no entendimento não será um salvo-conduto para os criminosos violentos. “O homicida fica preso desde o flagrante”, afirmou Alexandre de Moraes.

A Procuradoria-Geral da República vai defender a manutenção do entendimento, adotado pelo STF desde 2016, favorável à execução da pena após condenação em 2ª instância.

Os magistrados devem mudar a atual posição da corte que permite o início do cumprimento da pena de prisão de um condenado após decisão de um Tribunal de Justiça ou um Tribunal Regional Federal (TRF), em segunda instância. A posição atual foi fixada há três anos pelo Supremo.

Uma mudança de posição agora seria uma nova derrota para a Lava Jato em um momento de enfraquecimento da operação a após reportagens feitas pelo site The Intercept Brasil que mostram supostas articulações do ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, com procuradores da força-tarefa da Lava Jato. Os dois lados negam irregularidades.

Must Read

Tierry dá beijão em bailarina na ‘Dança dos Famosos’

Parece que alguém levou o hit “Ela só pensa em beijar” de MC Leozinho ao pé da letra. Tierry trocou um beijão com a...

Banda Labaredas comemora 40 anos de carreira em grande estilo

Conde Só Brega e banda sentimentos estão entre as atrações do brega dos namorados no Clube Português No próximo dia 11 de Junho, a banda...

ARIES apresenta projetos do CITInova em evento de tecnologia e inovação em SP, nesta quarta-feira

O MundoGEO ocorrerá entre os dias 17, 18 e 19 de maio, de forma híbrida   A diretora de projetos da Agência Recife de Inovação e...

Após ser flagrada fumando antes do show, Isadora Pompeo pede perdão

A cantora gospel Isadora Pompeo realizou um show na última quarta-feira (11), na cidade de Eunápolis (BA), que está repercutindo bastante na região Sul...

Mãe de MC Kevin desabafa em 1 ano da morte do cantor: “Dias longos e difíceis”

Há 1 ano, Kevin Bueno Nascimento, popularmente conhecido como MC Kevin, faleceu após cair do 5º andar de um hotel na Barra da Tijuca,...