Meu ‘maior prazer’ seria sair da prisão e Moro e Deltan entrarem, diz Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) rejeitou, em entrevista ao site GGN nessa quarta-feira (25), a possibilidade da sua defesa pedir a progressão de pena para o regime semiaberto. Ao site, Lula afirmou ainda que o seu “maior prazer” deixar a prisão e que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, fossem presos. “Eu só saio daqui com 100% de inocência, e o maior prazer seria sair daqui e o Moro entrar no meu lugar. Ele e o Dallagnol”, disse Lula.

O ex-presidente relatou ter conversado com seus advogados e deixado claro que não quer ir para o regime semiaberto. Segundo o petista, pedir o benefício seria um atestado de culpa para quem está condenado. Ele voltou a dizer que “se alguém tem que pedir perdão é o tal do Moro e o tal do Dallagnol”.

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foto: reprodução do vídeo/Folha de S. Paulo

A entrevista – publicada nesse sábado (28) – foi gravada antes do Ministério Público Federal (MPF) pedir a progressão de pena de oito anos pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá (SP).

A possibilidade foi divulgada, mais cedo, pela coluna Radar, da revista Veja. O petista cumpriu nesta semana um sexto da pena a que foi condenado.

A defesa do ex-presidente afirmou que vai conversar com Lula na próxima segunda-feira (30) e, dependendo do que ele responda, formular seu posicionamento.

 

 

 

É o fato ou acontecimento de interesse jornalístico. Pode ser uma informação nova ou recente. Também diz respeito a uma novidade de uma situação já conhecida.

Texto predominantemente opinativo. Expressa a visão do autor, mas não necessariamente a opinião do jornal. Pode ser escrito por jornalistas ou especialistas de áreas diversas.

Reportagem que traz à tona fatos ou episódios desconhecidos, com forte teor de denúncia. Exige técnicas e recursos específicos.

É a interpretação da notícia, levando em consideração informações que vão além dos fatos narrados. Faz uso de dados, traz desdobramentos e projeções de cenário, assim como contextos passados.

Texto analítico que traduz a posição oficial do veículo em relação aos fatos abordados.

É a matéria institucional, que aborda assunto de interesse da empresa que patrocina a reportagem.

Conteúdo que faz a verificação da veracidade e da autencidade de uma informação ou fato divulgado.

É a matéria que traz subsídios, dados históricos e informações relevantes para ajudar a entender um fato ou notícia.

Reportagem de fôlego, que aborda, de forma aprofundada, vários aspectos e desdobramentos de um determinado assunto. Traz dados, estatísticas, contexto histórico, além de histórias de personagens que são afetados ou têm relação direta com o tema abordado.

Abordagem sobre determinado assunto, em que o tema é apresentado em formato de perguntas e respostas. Outra forma de publicar a entrevista é por meio de tópicos, com a resposta do entrevistado reproduzida entre aspas.