Jungmann teme que crises podem paralisar o governo Bolsonaro

Raul Jungmann, ex-ministro da Defesa, disse esperar que o governo do presidente Jair Bolsonaro não tome o mesmo rumo que o do ex-presidente Michel Temer. Jungmann se referiu aos impactos trazidos à gestão Temer depois que veio a público o áudio da conversa entre o empresário Joesley Batista e o então presidente da República. Segundo o ex-ministro, o receio dele é que Bolsonaro passe mais tempo gerindo as próprias crises do que o país. O ex-ministro deu as declarações em uma videoconferência realizada pela Necton Investimentos.

Na avaliação do ex-ministro da Defesa, a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, filho do presidente, pode incomodar as Forças Armadas. Raul Jungmann afirmou que, embora não possa falar pelos militares, sabe que eles têm valores muito fortes.

Questionado sobre a relação entre o Exército e o Palácio do Planalto, o ex-ministro afirmou que Bolsonaro muitas vezes usa de forma midiática o fato de ter militares no governo. Para Raul Jungmann, no entanto, isso não significa que a instituição concorde todas as opiniões do presidente.

O ex-ministro Raul Jungmann finalizou dizendo que as Forças Armadas não podem ser politizadas. Ele lembrou que a instituição é de Estado e não de governo.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni