Governo vai acabar com taxa extra para voo internacional; tarifa de embarque cairá à metade – Jornal O Globo

BRASÍLIA O

governo federal

decidiu acabar com a uma

taxa

cobrada há 20 anos de

passageiros brasileiros

que voam para

fora do país

. O anúncio foi feito, nesta segunda-feira, pelo

ministro da Infraestrutura

, Tarcísio Gomes de Freitas. Na prática, a extinção dessa taxa deve fazer com que a

tarifa de embarque internacional caia pela metade

.

A taxa é uma cobrança adicional feita junto com a tarifa de embarque em voos internacionais nos principais aeroportos do país e equivale a US$ 18, independentemente do destino. Segundo o ministro, a taxa será eliminada em breve.

No exterior

:

Quer trabalhar, estudar ou empreender? Guia mostra as opções nos principais destinos

O adicional de tarifa de embarque para voos estrangeiros foi criado lá atrás para recompor a dívida mobiliária da União, e ficou, ele vai ser eliminado em breve disse o ministro, após participar de um evento sobre aviação, em Brasília.

A taxa foi criada em 1999 e, atualmente, é uma das fontes de abastecimento do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC), criado em 2011 para financiar melhorias na infraestrutura aeroportuária. Em 2018, o governo arrecadou, R$ 700 milhões com a cobrança. O ministro não informou como essa receita será compensada.

Preço:Brasileiro vai pagar para despachar mala. Veja quanto cobra cada companhia

Atualmente, incluindo o acréscimo de US$ 18, a taxa de embarque internacional vai de R$ 106,76 (aeroporto de Natal) a R$ 122,20 (Galeão). Uma parcela desse valor, de US$ 18, é transferida para o fundo de aviação civil. O restante fica com a empresa que administra o aeroporto e serve para remunerá-la pelos serviços prestados aos passageiros.

Com o fim da taxa extra os passageiros passariam a pagar somente a parte devida às empresas que administram os aeroportos. Isso significa que a tarifa de embarque cairia para a metade do preço. No Galeão, por exemplo, a tarifa de embarque para voos internacionais passaria de R$ 122,20 para R$ 56,40.

Mais concorrência

:

Espanhola Air Europa quer operar voos e abrir hotéis no Brasil

A ideia é ampliar o leque de medidas de

incentivo

à atração de

companhias aéreas de baixo custo

(low cost) ao país. O governo quer atrair essas empresas também para voos domésticos e, com isso, reduzir o preço das passagens aéreas no Brasil.

Tarcísio disse também que a meta do governo é ampliar para

200 milhões

o total de

passageiros

aptos a usarem o

transporte aéreo no Brasil

, em 200 localidades, até 2025. Hoje, são 120 milhões de passageiros em 140 localidades.

Leia também

:

Brasil quer atrair companhias aéreas estrangeiras para operar rotas domésticas

A nossa ideia é chegar a 200 milhões de passageiros em 200 localidades em 2025 com os investimentos que estão sendo gestados agora. Estamos transferindo aeroportos para a iniciativa privada, serão 41 até 2022. Vamos atingir 63 aeroportos concedidos. A gente está fazendo ainda diversos investimentos na aviação regional, dando mais conectividade ao país afirmou.