Início Geral Gilmar sobre Moro: Bolsonaro precisava dele, agora ele precisa de Bolsonaro

Gilmar sobre Moro: Bolsonaro precisava dele, agora ele precisa de Bolsonaro

É o fato ou acontecimento de interesse jornalístico. Pode ser uma informação nova ou recente. Também diz respeito a uma novidade de uma situação já conhecida.

Texto predominantemente opinativo. Expressa a visão do autor, mas não necessariamente a opinião do jornal. Pode ser escrito por jornalistas ou especialistas de áreas diversas.

Reportagem que traz à tona fatos ou episódios desconhecidos, com forte teor de denúncia. Exige técnicas e recursos específicos.

É a interpretação da notícia, levando em consideração informações que vão além dos fatos narrados. Faz uso de dados, traz desdobramentos e projeções de cenário, assim como contextos passados.

Texto analítico que traduz a posição oficial do veículo em relação aos fatos abordados.

É a matéria institucional, que aborda assunto de interesse da empresa que patrocina a reportagem.

Conteúdo que faz a verificação da veracidade e da autencidade de uma informação ou fato divulgado.

É a matéria que traz subsídios, dados históricos e informações relevantes para ajudar a entender um fato ou notícia.

Reportagem de fôlego, que aborda, de forma aprofundada, vários aspectos e desdobramentos de um determinado assunto. Traz dados, estatísticas, contexto histórico, além de histórias de personagens que são afetados ou têm relação direta com o tema abordado.

Abordagem sobre determinado assunto, em que o tema é apresentado em formato de perguntas e respostas. Outra forma de publicar a entrevista é por meio de tópicos, com a resposta do entrevistado reproduzida entre aspas.

Texto com análise detalhada e de caráter opinativo a respeito de produtos, serviços e produções artísticas, nas mais diversas áreas, como literatura, música, cinema e artes visuais.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes afirmou, em entrevista ao programa Conversa com Bial, da TV Globo, que o ex-juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, perdeu protagonismo no governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

“Moro chegou quase como um primeiro ministro. Depois ele virou esse personagem que o Bolsonaro leva para o jogo do Flamengo. Antes, o Bolsonaro precisava dele, agora ele passa a precisar do Bolsonaro”, disse Mendes.

O ministro do STF disse ainda que não o Bolsonaro deve ter “uma imensa dificuldade” para fazer sua primeira indicação para a Suprema Corte. “Eu acho que o presidente terá uma imensa dificuldade de fazer essa primeira escolha (para o cargo de ministro do STF), porque ele vai querer dar o seu toque pessoal”, falou.

Gilmar Mendes também comentou sobre a possível indicação de um evangélico como ministro do Supremo pelo presidente da República. “Ele disse que ia indicar para essa vaga do Celso de Mello um ministro terrivelmente evangélico. Eu até tenho dito que é importante é que indique alguém que saiba ler a Constituição”, pontuou. “Se for evangélico, não terá nenhum problema”, completou Gilmar.

No programa, o ministro falou sobre possibilidade de as sentenças de Sérgio Moro, quando era o juíz responsável pela Lava Jato, serem invalidadas pelo STF após o site The Intercept Brasil divulgar mensagens atribuídas ao ex-magistrado e a procuradores da força-tarefa da operação.

“Me parece que é importante debater essa questão tendo em vista que a possibilidade de que a prova ilícita seja relevante sim para efeito de exonerar alguém de responsabilidade. Esse acho que é um debate que a turma deve ter”, falou.

Na entrevista a Pedro Bial, Mendes disse que não sabe se o ex-presidente Lula (PT), preso desde abril de 2018, será liberto, mas defendeu que o petista tenha um julgamento justo.

“Não sei. É uma questão que vamos ter que examinar com muito cuidado e a minha percepção de que nos círculos acadêmicos no mundo, há a impressão que há muitos vícios nesse processo do Lula e eu tenho dito que o Lula merece um julgamento justo. Tudo isso que vem se revelando, de fato, deixa suspeita sobre esse caso”.

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, marcou para esta quinta-feira (17) o julgamento definitivo do mérito de três ações que tratam sobre a prisão após condenação em segunda instância. As ações foram ajuizadas pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), PCdoB e pelo Patriota (antigo Partido Ecológico Nacional) e têm como relator o ministro Marco Aurélio Mello.

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

Must Read

Elirio Dambros fala sobre prós e contras do uso de fraldas descartáveis

Que as fraldas descartáveis vieram para facilitar a vida dos pais, disso ninguém tem dúvida. No entanto, ainda se investiga os impactos causados pelo seu uso na saúde...

Toguro do Sport? Influencer exibe faixa do Leão da Ilha em partida do Brasil na Copa do Mundo

Influencer foi um dos mais compartilhados no ano, com vídeos motivacionais em situações inusitadas Um personagem que marcou a internet em 2022 conquistou os torcedores...

Nome de Gilson Machado já é favorito para disputa municipal em 2024

O atual diretor-presidente da Embratur e ex-Ministro do Turismo segue sendo principal referência em apoio, fidelidade e alinhamento com Bolsonaro, para os conservadores no...

Brasil vence a Suíça e está classificado para as oitavas de final da Copa do Mundo

Vitória contra a Suíça fez o Brasil garantir matematicamente a classificação para as oitavas de final O Brasil já garantiu vaga nas oitavas de final...

Alerta laranja de perigo de chuvas intensas em Afrânio e Petrolina

Os municípios de Afrânio e Petrolina estão em alerta laranja de perigo potencial de chuvas intensas, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), previsão...