Início Lula Eventual retorno de Lula à política reforça polarização

Eventual retorno de Lula à política reforça polarização

Os procuradores da Operação Lava Jato de Curitiba decidiram adiar a divulgação da denúncia contra o ex-presidente Lula no caso do sítio de Atibaia, em São Paulo, para não dividir a atenção com o escândalo dos grampos envolvendo o empresário Joesly Batista e o ilegítimo Michel Temer (MDB-SP), de acordo com o novo episódio da Vaza Jato publicado nesta segunda-feira (14) pelo site The Intercept Brasil. A reportagem é de Rafael Neves.

O dono da JBS gravou uma conversa com Temer no subsolo do Palácio do Jaburu. Quando o empresário disse que estava “de bem com o Eduardo”, Temer respondeu: “Tem que manter isso, viu…”, supostamente se referindo a pagamento de propina ao ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que estava preso. Áudios entregues pelos delatores da JBS indicaram também que Marcelo Miller teria auxiliado os executivos da JBS a fechar acordo de delação premiada enquanto ainda era procurador da República.

Quando a conversa vazou, a turma de Curitiba decidiu agir para não prejudicar a repercussão da divulgação da denúncia contra Lula e também para proteger o colega Marcelo Miller.

De acordo com mensagens obtidas pelo site The Intercpet, a procuradora Jerusa Viecelli informou em 17 de maio de 2017 em um grupo da força-tarefa no aplicativo Telegram que a denúncia contra Lula estava pronta. Porém, horas antes, veio à tona os áudios envolvendo Temer e Joesley. Por conta disso, o grupo optou por adiar a divulgação da denúncia, que foi feita cinco dias depois.

Antes de definir a data, o chefe da força-tarefa, Deltan Dallagnol, procurou a Procuradoria-Geral da República (PGR) em 21 de maio de 2017 para saber se haveria operação em Brasília para não dividir as atenções. Ao saber que não haveria operação, Dallagnol liberou a divulgação da denúncia contra Lula. No grupo, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, que se aposentou em setembro do ano passado, disse que o fato iria “criar uma distração e mostrar serviço” da Lava Jato

Eles queriam manipular a opinião pública para encobrir o fato de que a delação da JBS havia sido manipulada por um procurador da República que havia recebido ‘honorários’ de R$ 700 mil da JBS, por meio do escritório de advocacia Trench Rossi Watanabe, para orientar o acordo de leniência da empresa na delação.

O procurador Athayde Costa considerava que o Ministério Público estava “perdendo a guerra da comunicação” no caso da JBS. Concordando, Dallagnol angustiava-se com o silêncio de Janot, que não havia se manifestado publicamente desde a revelação feita pelo jornal O Globo no dia 17 de maio. Um trecho do diálogo entre os dois no Telegram mostra que Dallagnol tentou orientar o procurador-geral da República sobre como abafar a crise.

Must Read

Pernambuco já realizou mais de 1,8 mil testes de Covid-19 nos jogos de futebol

Com a liberação da presença de torcida nos jogos de futebol profissional em Pernambuco, a testagem para a doença é fundamental para o monitoramento...

Marília Mendonça e Maiara e Maraisa estrelam campanha na Times Square

As patroas deslancharam para o mundo! Nesta quinta (21), Marília Mendonça e a dupla Maiara e Maraísa estamparam um telão na Times Square, principal...

Com propostas em mãos, ex-auxiliar do Real Madrid e ex-técnico do Flu está muito próximo de acertar com time brasileiro

O treinador fez grande trabalho no Palmeiras e chegou a ser auxiliar de Luxemburgo no Real Madrid De volta ao futebol brasileiro, o técnico Paulo Campos já...

Palas Pinho 20 anos de carreira no movimento brega

Palas Pinho uma das artistas mais respeitadas e querida do cenário musical Pernambucano, completa 20 anos de carreira no movimento brega, em 2001 ela implaca...

Secretaria do Trabalho estadual abre inscrições para Fenearte 2021

Quatro estandes serão disponibilizados para empreendimento solidários num dos espaços mais nobres da cultura pernambucana A Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco abre,...