Início Esporte Congresso derruba sete vetos presidenciais sobre lei dos partidos - G1

Congresso derruba sete vetos presidenciais sobre lei dos partidos – G1

A votação ocorreu nesta quarta-feira (27) por meio de cédula eletrônica. Os demais 37 dispositivos vetados da lei ainda serão definidos em votações separadas com registro de voto no painel, em sessão marcada para a próxima terça-feira (3).

Em linhas gerais, os dispositivos da legislação eleitoral que ainda serão analisados tratam de propaganda partidária em rádio e TV, pagamento de multa com fundo partidário e prazo para aplicação da inelegibilidade de candidatos.

Entre os sete pontos que tiveram o veto derrubado e agora passam a valer está o que permite que os partidos possam emitir passagens aéreas para não-filiados em eventos relacionados à sigla – como congressos, reuniões, convenções ou palestras.

Outro item que passa a ter validade é a mudança na regra sobre a composição do valor do fundo eleitoral usado para o financiamento de campanhas.

Com isso, vale a proposta aprovada inicialmente pelo Congresso, que prevê que o valor do fundo deve ser estabelecido por projeto de lei de Orçamento da União e será formado a partir do percentual do total de emendas de bancada cuja execução é obrigatória. Atualmente, o fundo é composto por, pelo menos, 30% dos recursos destas emendas.

O único dispositivo que teve o veto mantido, por enquanto, é o que proíbe que partidos apresentem prestações de contas à Justiça Eleitoral em qualquer sistema disponível no mercado – o que havia sido criticado por especialistas por prejudicar a transparência na fiscalização.

Por faltar menos de um ano para as eleições municipais, marcadas para o dia 4 de outubro de 2020, a derrubada dos vetos não influenciará no pleito do ano que vem. Ou seja, fica mantido o texto sancionado pelo presidente.

A análise dos vetos ao projeto que ficou conhecido como minirreforma eleitoral já havia sido adiada outras vezes pelo Congresso. Nesta terça-feira (26), uma sessão conjunta que analisaria os vetos presidenciais, inclusive o deste projeto, foi encerrada por falta de quórum.

Para garantir a presença de parlamentares nesta quarta-feira, o presidente do Senado e do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), determinou o cancelamento de todas as comissões no Senado e na Câmara, enquanto durar a sessão conjunta. Ele chegou a dizer que as votações nos colegiados executadas após a abertura da sessão do Congresso serão anuladas.

A análise dos vetos tranca a pauta para a votação da Lei Orçamentária Anual (LOA), que precisa acontecer antes do recesso parlamentar, que começa a partir do dia 23 de dezembro.

A sessão desta quarta-feira acabou sendo adiada para a semana que vem porque havia um acordo entre quase todos os partidos – incluindo PL, PP e Republicanos – para derrubar os vetos na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e, assim, liberar crédito para vários órgãos. O dinheiro seria destinado, por exemplo, à conclusão de obras e programas sociais.

Os deputados votaram conforme o acordo, rejeitando os vetos, mas os senadores os mantiveram. Para um veto ser derrubado, ele precisa ser rejeitado pelas Câmara e pelo Senado.

Diante do impasse e do resultado diferente do acordado, os partidos decidiram adiar a sessão e o governo se comprometeu a enviar um projeto de lei liberando esse crédito e que será votado na semana que vem.

No total, constavam da pauta vetos presidenciais a 11 legislações diferentes.

  • 2 foram mantidos integralmente;
  • 6 foram rejeitados integralmente;
  • 1 quase integralmente mantido;
  • 1 parcialmente mantido – com vários pontos a serem votados em separado na próxima semana;
  • 1 destacado para votação na próxima semana.

Confira alguns dos principais vetos já analisados

  • Carteira de trabalho digital – mantido

Um dos vetos mantidos pelos parlamentares diz respeito a um projeto de lei que permitia a emissão da carteira de trabalho eletrônica. Como justificativa, o governo afirmou que o assunto já havia sido tratado pela Lei da Liberdade Econômica, sancionada em setembro. Uma portaria para regulamentar as regras da emissão também já foi publicada pelo governo, o fim daquele mês.

  • Política Nacional de Prevenção do Diabetes – mantido

Os parlamentares mantiveram um veto parcial – isto é, que não altera a integralidade do texto – à lei que institui uma política de prevenção do diabetes e assistência à pessoa diabética. O veto ao artigo que determinava a oferta de exames de glicemia capilar, entre outros, nas unidades de saúde foi mantido pelos parlamentares. O governo havia justificado que isso criaria uma despesa obrigatória sem indicação da fonte dos recursos.

  • Pesquisas em doenças raras e negligenciadas – derrubado

Senadores e deputados também derrubaram o veto presidencial a um projeto de lei que destina 30% do Programa de Fomento à Pesquisa em Saúde para o financiamento de pesquisas em doenças raras ou negligenciadas. O governo justificou, entre outras coisas, que o projeto poderia comprometer a exequibilidade do referido Fundo e o financiamento/pagamento de projetos e pesquisas em andamento.

Com a derrubada, fica mantida a aplicação dos recursos no desenvolvimento tecnológico de medicamentos, imunobiológicos, produtos para a saúde e outras modalidades terapêuticas destinados ao tratamento de doenças raras ou negligenciadas.

  • Psicólogos nas escolas – derrubado

Os parlamentares também derrubaram o veto ao projeto de lei que obriga escolas públicas a contarem com profissionais de psicologia e de assistência social. A justificativa do governo para vetar a proposta é que ela cria despesas sem indicar fonte de receita e impactos orçamentários.

  • Violência contra mulher – derrubado

Os parlamentares derrubaram dois vetos a leis relacionadas à violência contra mulher. Volta, então, a valer uma lei que obrigava os profissionais de saúde a comunicar à polícia e registrar no prontuário da paciente indícios de violência contra a mulher.

A lei que que garante às vítimas de violência doméstica assistência judiciária para pedido de divórcio, vetada parcialmente, também passa a vigorar com pontos que tinham sido vetados anteriormente: a prioridade na tramitação de processos judiciais caso a violência ocorra após o pedido de separação; a possibilidade do juiz responsável pela ação da violência doméstica decretar, também, o divórcio; e a exclusão da competência dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher em relação à partilha de bens.

Must Read

Convidado para início do Espanhol, Luva de Pedreiro é “apresentado” no Atlético de Madrid

Influenciador digital está em viagem à Europa e pagou de novo reforço dos Colchoneros, com direito a fotos nos vestiários e nas arquibancadas do...

Ato pela democracia recorda mortos na ditadura, pede respeito ao sistema eleitoral e leva multidão ao Centro de SP

Evento reuniu milhares dentro e fora da Faculdade de Direito da USP. No salão nobre, ex-ministro José Carlos Dias leu carta 'Em Defesa da...

Marília Arraes apresenta o “Maria da Penha nas Escolas” e medidas de combate à violência contra a mulher durante sabatina na Rádio Jornal

Durante uma sabatina realizada pela Rádio Jornal, na manhã desta quinta-feira, no Recife, a candidata ao Governo de Pernambuco Marília Arraes apresentou às mulheres...

Jarbas Filho intensifica agenda na região metropolitana do Recife

Político tem realizado diversas visitas em bairros da capital pernambucana. Por onde passa, o candidato a deputado estadual Jarbas Filho (PSB) tem sido muito bem...

Festa de Setembro movimentará cerca de R$ 15 milhões em Serra Talhada

Maior evento do calendário festivo de Serra Talhada, a Festa de Setembro 2022 já vem aquecendo o comércio e movimentando a economia da cidade,...