Início Brasil Com perdas superiores a R$ 122 bilhões, crise no setor hoteleiro se...

Com perdas superiores a R$ 122 bilhões, crise no setor hoteleiro se agrava

Mesmo com a flexibilização da quarentena, os segmentos de hotelaria e turismo continuam sofrendo os impactos causados pela pandemia do coronavírus em várias regiões do país. Só o setor turístico, um dos mais afetados, acumula perdas superiores a R$ 122 bilhões. O governo até chegou a costurar uma série de ações entre abril e maio, com pacotes emergenciais para alívio financeiro, mas a medida não foi suficiente para conter os estragos. Segundo o presidente do Instituto de Desenvolvimento, Turismo, Cultura e Meio-Ambiente de São Paulo, Bruno Omori, a recuperação dos segmentos será lenta. “Primeiro no turismo de lazer, ou seja, nas praias e litorais tanto do Sul quanto do Norte e no interior de lazer. E o mercado de turismo de negócios ainda está muito contraído porque não voltaram as feiras, congressos e eventos. As pessoas ainda estão trabalhando no mercado online. A gente precisa que sejam retomados os eventos, sejam retomadas as feiras e tudo seja normalizado. Até porque os protocolos de segurança estão todos prontos e têm toda confiabilidade para passar segurança tanto para o colaborador quanto para o hóspede.”

Vítima desse cenário, um dos símbolos do setor hoteleiro paulistano, o Maksoud Plaza, entrou com pedido de recuperação judicial avaliado em R$ 81 milhões. O hotel de luxo voltou a funcionar no dia 4 de setembro, depois de quase seis meses de portas fechadas, mas com uma taxa de ocupação de apenas 3%. A companhia também demitiu, na semana passada, metade de seus funcionários, devido à falta de recursos em caixa para as despesas. Em nota, o Maksoud Plaza e a controladora, a Hidroservice Engenharia, afirmaram que a “recuperação judicial foi a única alternativa encontrada pelo grupo e que é a melhor maneira de honrar os compromissos”. Para o advogado Ricardo Amaral Siqueira, o instrumento é importante em tempos de crise. “A empresa em crise, alvejada por uma série de execuções, fica sem capital de giro e a última análise fica sem faturamento, fazendo com que ela não consiga cumprir a sua função social, que é gerar empregos, pagar tributos e, basicamente, garantir a manutenção de toda cadeia que dela depende”, explica. Se aceita pela Justiça, a recuperação suspenderá por 180 dias as ações e execuções de cobranças contra o empreendimento. O pedido também permitirá que o hotel renegocie prazos, formas de pagamento e refinancie dívidas trabalhistas e com credores.

*Com informações da repórter Letícia Santini

Must Read

Com propostas em mãos, ex-auxiliar do Real Madrid e ex-técnico do Flu está muito próximo de acertar com time brasileiro

O treinador fez grande trabalho no Palmeiras e chegou a ser auxiliar de Luxemburgo no Real Madrid De volta ao futebol brasileiro, o técnico Paulo Campos já...

Palas Pinho 20 anos de carreira no movimento brega

Palas Pinho uma das artistas mais respeitadas e querida do cenário musical Pernambucano, completa 20 anos de carreira no movimento brega, em 2001 ela implaca...

Secretaria do Trabalho estadual abre inscrições para Fenearte 2021

Quatro estandes serão disponibilizados para empreendimento solidários num dos espaços mais nobres da cultura pernambucana A Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco abre,...

Com propostas em mãos, ex-auxiliar do Real Madrid e ex-técnico do Flu está muito próximo de acertar com time brasileiro

O treinador fez grande trabalho no Palmeiras e chegou a ser auxiliar de Luxemburgo no Real Madrid De volta ao futebol brasileiro, o técnico Paulo Campos já...

Diogo Moraes caminha a passos lagos para renovar seu mandato na Alepe

O deputado estadual Diogo Moraes (PSB), está pavimentando com pedras solidas, o caminho para o seu 4º mandato na Assembleia Legislativa de Pernambuco (ALEPE)....