As torcidas organizadas entram em campo e a opinião pública digital quer acompanhar a TV Justiça

Por Manoel Fernandes, Diretor da BITES, em artigo enviado ao blog

Diante da proximidade do início da decisão do STF sobre a prisão em 2ª instância, desde as 14h de hoje, a opinião pública digital está parcialmente adormecida para o tema. Mesmo com as tentativas de aquecimento organizadas pelos aliados do ex-presidente Lula e os seus detratores.

Por enquanto, a TV Justiça, o canal do STF na TV Paga e no Youtube que transmite ao vivo os debates entre os ministros, é o centro das atenções. As buscas no Google estão concentradas nessa direção.

O Sistema Analítico BITES não identificou nenhum movimento estruturado contra o Tribunal, nem seus ministros. Nem mesmo um contingente expressivo de defensores entusiasmados por alguma ação militar com o objetivo de pressionar a Suprema Corte brasileira.

A combinação de expressões como golpe e militares resultou em apenas 1.328 tweets até agora. No Google, o interesse pelo assunto também não chama tanta atenção quanto alguns gostariam.

O próprio post no Twitter do general Villas Boas, ex-comandante do Exército, interpretado como uma pressão sobre o STF, também não gerou alto impacto. Até às 12h, o conteúdo havia sido republicado 7.909 vezes, considerando que o perfil do militar tem 610 mil seguidores, o resultado é pouco expressivo.

O que verificamos até agora são as torcidas organizadas entrando em campo. Entre as dez hashtags mais utilizadas o Brasil no Twitter, quatro – stforgulhodoPT, sdtfvergonhanacional, stfopovoquerlulalivre e prisaoem2ainstanciasim — estavam associadas ao STF até às 12h.

E juntas geraram 22 mil posts. Um pouco mais da líder #Afazenda11 com 15 mil posts.

Nos sites da mídia clássica e nos portais ativistas, o assunto STF também não está chamando atenção.

Nas últimas seis horas, esses canais produziram 14.762 artigos. Apenas 369 relativos ao STF. A informação sobre a saída do jornalista José Roberto Guzzo da revista Veja após ter um artigo da sua autoria não publicado é o que chama mais atenção quando associado ao STF.

O texto sobre o Guzzo saiu no site do Jornal da Cidade Online, ligado aos movimentos bolsonaristas, registrava nesse horário quase 10 mil interações. Quando o corte é apenas em torno de artigos sobre o STF foram identificados 369 conteúdos nas últimas seis horas.

O que irá acontecer nas próximas horas deve definir o movimento do universo digital.

É o fato ou acontecimento de interesse jornalístico. Pode ser uma informação nova ou recente. Também diz respeito a uma novidade de uma situação já conhecida.

Texto predominantemente opinativo. Expressa a visão do autor, mas não necessariamente a opinião do jornal. Pode ser escrito por jornalistas ou especialistas de áreas diversas.

Reportagem que traz à tona fatos ou episódios desconhecidos, com forte teor de denúncia. Exige técnicas e recursos específicos.

É a interpretação da notícia, levando em consideração informações que vão além dos fatos narrados. Faz uso de dados, traz desdobramentos e projeções de cenário, assim como contextos passados.

Texto analítico que traduz a posição oficial do veículo em relação aos fatos abordados.

É a matéria institucional, que aborda assunto de interesse da empresa que patrocina a reportagem.

Conteúdo que faz a verificação da veracidade e da autencidade de uma informação ou fato divulgado.

É a matéria que traz subsídios, dados históricos e informações relevantes para ajudar a entender um fato ou notícia.

Reportagem de fôlego, que aborda, de forma aprofundada, vários aspectos e desdobramentos de um determinado assunto. Traz dados, estatísticas, contexto histórico, além de histórias de personagens que são afetados ou têm relação direta com o tema abordado.

Abordagem sobre determinado assunto, em que o tema é apresentado em formato de perguntas e respostas. Outra forma de publicar a entrevista é por meio de tópicos, com a resposta do entrevistado reproduzida entre aspas.